5 de jun de 2011

Khaos Legions (2011)

Depois de 4 anos sem registros inéditos o Arch Enemy volta de suas turnês, que tiveram muito exitô em alavancar a popularidade do grupo no mundo.  Nesse registro o Arch Enemy não inova muito, mas também não faz feio.

O Ricardo destruiu os meus sonhos, esperava que esse disco fosse tão poderoso que se tornasse o Magnum Opus da banda, infelizmente isso não acontece, entretanto não há motivos para ser pessimista, pois mesmo abaixo do anteriores esse aqui é competente.

O disco abre com a apocaliptica "Yesterday Is Dead And Gone" que mostra um Angela furiosa (a 2ª melhor atuação dela no disco) e ótimos riffs melódicos, isso sem falar no solo.

O disco segue com as ótimas "Bloodstained Cross" e "Under Black Flags We March" que mostram o Arch Enemy usando muito bem suas formulas do jeito que eu gosto.

Por outro lado Faixas como "No Gods, No Masters" e "Through The Eyes Of A Raven" utilizam muito mal os clichês do grupo com atuações burocráticas da Angela, a última é até boa mas aquele violão no final ficou muito cafona, e a outra parece Pop Rock tamanha  a simplicidade dos riffs.

A atuação de Angela em algumas música faz apenas fundo para os excelentes riffs da dupla Ammot, entretanto aqui ela tem ótimas atuações como nas faixas "Cruelity Without Beauty" e na "Vengeance Is Mine" em que ela mostra linhas vocais incrivelmente furiosas e demoníacas recheadas de riffs de Thrash Metal e os melhores solos do disco.

A Dupla Ammot se mostra novamente acima da média, desfilando riffs e solos inspirados, nas já citadas e em faixas que seriam apenas medianas sem eles como: "City Of The Dead" e "Thorns In My Flesh". Eles também estão afiados nos riffs melódicos, a bonitinha "Snow Bound" é uma prova desse talento. O uso certeiro das alavancas também é um destaque do disco.

Outras composições fracas são a repetitiva "Secrets" e o cover esquisito de "The Zoo" que na minha opinião soa deslocado demais.

Esse novo disco do Arch Enemy é bom, mas a decepção ficou nítida, se esperava um petardo para fazer frente aos clássicos do grupo, entretanto ganhamos apenas um bom disco que no futuro fará sombra aos clássicos.

Nota: 7,5 *******1/2

2 comentários:

  1. Acho que num certo aspecto ele "mereceu" a nota do Collector's se levarmos em conta a expectativa. Realmente ficou muito atrás. Eu esperava um detonador tipo o Rise of Tyrant. Mas não é um album ruim, acho que o album em si está bom, mas como promessa, ele falha. Abraços o/

    ResponderExcluir
  2. Foi isso que eu disse na resenha. Ele é bom, mas eu não gastaria meu dinheiro com ele

    ResponderExcluir