29 de ago de 2011

Rob Halford - Analise

Rob Halford é o vocalista da banda Judas Priest, e melhor conhecido como "Metal God", "Deus Metal" ou até "Rainha do Metal" apelido com o qual o mesmo se atribuiu.

Rob Halford não é Deus à toá, pois como você poderiam perceber depois de ler esse artigo, Halford é um dos maiores vocalistas da história e responsável por uma revolução sem precedentes no Heavy Metal.

Quando se assumiu homossexual em 1998, surpreendeu o mundo headbanger, e sofreu muitas críticas por causa disso, mas sua postura dobrou os headbangers homofóbicos.

Enfim, vamos começar logo a analise desse monstro

Analise

Rob Halford não tem uma coloratura vocal especifica, pois apesar da voz de barítono, Halford é capaz de alcançar notas de contratenor. A voz do Halford tem uma gama incrível de cores o que torna sua interpretação tão fantástica quanto a de alguns cantores de ópera, como por exemplo: Maria Callas.

Timbre

Rob Halford tem um belo timbre baritonal, mas o seu timbre pode ser facilmente manipulado pelo mesmo devido a grande disponibilidade de cores disponíveis, ele também possui um belíssimo fraseado que pode ser ouvido melhor em músicas mais lentas.

Alcance

Rob Halford alcança notas muito altas com ajuda de um pouco de falsete, normalmente ele atinge a nota com o falsete e depois a encerra com outro efeito de voz para fechar as cordas vocais, que ficam abertas com o uso do falsete.

Halford é capaz de manter notas altas por muito tempo, e sem muito desgaste, apesar de estar usando uma artimanha cansativa como o falsete, talvez o truque para isso seja sua respiração e também o fato de não usar inteiramente o falsete para sustentar notas altas.


Essa música seria uma bela representante do "Belcanto Metal", pois nessa música fica expressa o grande virtuosismo vocal de Halford, que segura notas extremamente altas, durante toda a música, isso sem falar no desfecho da música. Donizetti, Bellini e Rossini que o digam*

Obs: São compositores do Belcanto italiano, que compunham árias de difícil interpretação e que portanto necessitavam de cantores bem virtuosos.

Interpretação

Magnifica! é a única forma de começar a falar sobre um dos maiores interpretes do Heavy Metal. Muito disso se deve a sua grande facilidade de mudar a cor do seu registro sem desafinar nada. Interpretações incríveis acompanhadas de técnicas muito malucas, que até hoje tento desvendar.


Resumo: Rob Halford é um grande cantor que consegue cantar em tons acima do normal, e consegue usar sua técnicas interpretativas para fechar as pregas vocais, dando a impressão de que ele é um tenor, e ainda tem uma resistência vocal muito grande, o que permite que ele segure notas altas por bastante tempo.

O timbre baritonal do mesmo, aliado ao seu canto potente o tornam um dos cantores mais influentes da história do metal, influenciando diversos outro vocalistas como por exemplo: Owens, Ralf Scheepers, Carlos Zema, Iuri Sanson...

A Voz do Heavy Metal.

Black Tide - Post Mortem (2011)

Banda: Black Tide
Albúm: Post Mortem
Lançamento: 2011

Black Tide é uma banda americana com um futuro muito promissor, ganhou destaque pela idade e qualidade dos seus integrantes, que eram extremamente jovens quando começaram a banda. 

Em 2008 eles lançaram o ótimo "Light From Above" que fazia um Hard/Heavy muito foda, porém de repente, do nada deu a louca nos caras e voltaram com um Melodic Metalcore muito bem feito no "Post Mortem"

Quando escutei o cd pensei que fosse outra banda... O som ficou muito diferente, tudo é diferente, a única coisa que da pra se dizer que não mudou muito são os solos que continuam com uma cara mais clássica. O cd inteiro é pesado, melódico (grudendo ao extremo!!!) e um tanto melancólico e técnico, em algumas músicas chegam a ter belas passagens acústicas, com produção impecável, o som dos violões é bem cristalino, muito bem feito.

Riffs muito bem estruturados, bateria matadora e vocal incrível, nem parece o mesmo garoto de 2008, a puberdade passou e a voz engrossou, eu sei que já disse isso mas tenho que dizer de novo, é quase que outra banda, o mais surpreendente é que é a mesma formação XD não houve mudança de integrantes e sim mudança nos integrantes se é que me entendem.

Não sei se perceberam mas eu não destaquei nenhuma musica nesse post, o cd ficou tão bom que eu iria dizer repetir 10 vezes que as músicas são fodas, pesadas e blablabla... No fim das contas a mudança foi boa porém a banda perdeu um pouco da originalidade, afinal bandas de Melodic Metalcore existem aos montes, agora, bandas de Hard/Heavy, poucas conseguem o nível de qualidade que o Black Tide atingiu.

Tracklist:
01. Ashes (feat. Matthew Tuck of Bullet for My Valentine)
02. Bury Me 
03. Let It Out 
04. Honest Eyes
05. That Fire 
06. Fight Til The Bitter End 
07. Take It Easy
08. Lost In The Sound 
09. Walking Dead Man 
10. Into The Sky 
NOTA: 9

28 de ago de 2011

Tecnicas Vocais - Dia-a-Dia

Muita gente me pede para escrever um artigo falando das sagradas técnicas vocais, que ajudam o ouvinte na degustação de um disco, além de ser uma coisa legal de se saber. O que muitos não sabem, é que esse conhecimento sobre as técnicas vocais pode ser aplicado no dia-a-dia, através da conversa com seus amigos e conhecidos. Como? lendo esse post você vai descobrir.

Esse post é o primeiro de uma série, que visa transmitir alguns dos meus conhecimentos para os leitores desse blog. Hoje falaremos da "fala", e depois falarei sobre o canto.

Registro Fechado: Ele é utilizado para conversas onde você  quer falar a sós com seu amigo(ou namorada), e não quer que ninguém ouça. As ondas de som, são emitidas somente para frente e ela se distorce nas laterais, tornando a conversa inaudível, até para quem está do seu lado, pois as palavras para ele saem abafadas.

Cuidado! quem fala em registro fechado quer esconder algo, normalmente é uma fofoca, conversas sobre namoro, escárnios, e algo contra as leis. Claro que há a possibilidade da pessoa estar falando algo normal, e mesmo assim não querer que ninguém escute, por que é uma pessoa mais reservada.

Registro Semi-Aberto: É uma onda de som que não sai apenas para a frente como o registro fechado, ela sai para todos os lados, mas tem baixo alcance. É normalmente utilizado em conversas com amigos, e é a mais normal de todas.

Registro Aberto: É normalmente utilizado para o canto ou para um discurso, e emite ondas de som para todos os lados com um alcance maior do que o registro Semi-Aberto, mas sua potencia depende do volume de voz de cada pessoa.

Existem pessoas que conversam em Registro Aberto, mas essas pessoas são muito sem educação, o registro aberto só é viável em uma conversa informal, em caso de discussão ou briga, no mais é pura falta de educação seguida de uma grande vontade de aparecer.

Grito: No grito a pessoa emite ondas de som de alta frequência e com um longo alcance, só que sai sem nenhuma harmonização, portanto não pode ser qualificada como canto. O grito é nocivo para a voz, já que ele pode arranhar as cordas vocais, diminuindo a potencia e o volume da voz, além de dar uma puta inflamação na garganta.

O grito normalmente denuncia sentimentos muito fortes, ou podem ser feito por pura falta de educação, mas que ser normal, que grita para atentar?

Headvoice: Não estou falando do Falsete ainda, no contexto que eu vou usar, Headvoice é o registro de voz mais fechado de todos.

A pessoa que fala em Headvoice, escuta tudo que está falando como se estivesse falando normal, mas as pessoas ao seu lado não entendem uma palavra sequer. Isso ocorre porque a pessoa está emitindo as ondas de som para dentro, e o som que escapa sai de forma fechada e distorcida e com um baixo volume.

As pessoas que falam em headvoice, costumam falar sozinhas, e por isso se acostumam a falar desse jeito, são pessoas reservada e que não gostam de aparecer.

Falsete: E quando a pessoa muda de voz para falar algo, essa técnica é outra relacionada ao canto, mas nesse caso vou falar do seu uso na fala. Uma pessoa que fala em falsete com você, é uma pessoa que você deve suspeitar, pois ela pode estar mentindo para você ou te zoando.

O Falsete costuma ser agudo, mas estranhe também se sair grave, principalmente se for mulher, é difícil uma pessoa que fala em falsete com você ser digna de confiança, pois ele normalmente utiliza esse artificio para tentar convencer você a algo.

 Algumas Dicas

1- Não fale em registro fechado quando tem um amigo do seu lado, ele vai pensar que você está fazendo fofoca ou escondendo algo dele. Eu particularmente acho falta de educação.

2- Evite o registro aberto, a não ser que esteja discursando ou brigando, opte pelo registro semi-aberto nesses casos.

3- Não fale em falsete, não tem utilidade alguma, e não é totalmente saudável.

4- Evite Headvoice também, pois pode virar um habito e atrapalhar na hora de um discurso ou conversa informal.

Bons Discos de Ópera/Metal

Natalie Dessay é a maior Soprano di Agilitá de sua geração, sucedendo nomes como: Maria Callas, Joan Sutherland e Caballé no território belcantista. Conhecida também por seu belo timbre (não tanto como Netrebko, Fleming, Struder...) e por ser uma excelente atriz.

Dessay tem Lucia como seu papel de eleição, e nessa recita em Lyon, eles fizeram a versão Francesa da ópera (lembrando que Dessay é Francesa).

Hoje é justamente celebre por esse papel, tendo interpretado uma Lucie de excelsa. Deixo para vocês um vídeo de sua última atuação nesse papel, que ocorreu no Met em Fevereiro desse ano.


Obs: Essa é a versão italiana dessa ópera.


Esse disco é a linha média entre o Judas da fase Heavy Metal e o da fase Hard Rock, sendo um registro de excepção que consagrou a banda no tão difícil mercado americano.

Músicas como "Breaking The Law" e "Living After Midnight" eram um Hard Rock bem ao gosto do americano (nem de longe isso é um demérito, muito pelo contrário), e elas ainda tinham um jeitão de hino, que se escancaravam em música como "Metal Gods" e "United" sendo que essa última música podia substituir o hino do Manchester United.

A parte Heavy do grupo aparece na excelente "Rapid Fire", "Steeler","Grinder" e na já citada "Metal Gods".

Isso sem falar no nucleo de criação da banda, os verdadeiros guitarras gêmeas (titulo que no futuro seria usurpado pelo Iron Maiden) e o "Metal God" em uma fase excelente. o Judas Priest é o representante máximo do Heavy Metal, visto que o Black Sabbath sempre renegou o titulo, e o Iron e Manowar surgiram depois.


A Violetta de Maria Callas só e ladeada de igual para igual por Anna Netrebko que abordou a personagem como uma mulher lasciva e lânguida ao passo que a Violetta de La Callas era uma mulher sofrida, doente e vitima.

Netrebko se destaca também devido ao seu belo e sedutor timbre, isso sem falar na sua interpretação tanto física quanto vocal, que bordeja o céus.

Villazón e os outros são relegados para segundo plano, diante da magistral interpretação de Netrebko, apesar de Villazón ter ido até bem, ainda que alguns deslizes fiquem evidentes.




Na epóca do lançamento de "Abrahadabra" do Dimmu Borgir não lhes pude demonstrar todo o meu apreço por esse excelente disco, que considero um dos melhores do ano passado.

Com a saída do genial tecladista Mustis, pensei que o Dimmu Borgir me proporcionaria uma relativa queda de nível nas orquestrações. Ledo Engano!

O Dimmu Borgir produziu nesse disco um trabalho orquestral de um nível nunca visto antes dentro do Symphonic Black Metal, dando várias formas ao som da banda.

Slienoz e Galder cumprem muito bem o seu papel produzindo riffs de beleza inegável, e as participações tanto de Shaw quanto a daquela mulher que canta umas duas faixas ficaram bem interessantes.

É difícil você ouvir um disco pesado como esse e conseguir sentir a beleza do negocio, tanto que esse mérito só poucas bandas alcançam como: Cradle Of Filth, Arch Enemy, Dissection entre outras. Unir melodia com brutalidade é para poucos, e ainda de forma orquestral como o Dimmu Borgir conseguiu fazer nesse disco, e para bem poucos mesmo.


Registro indispensável na prateleira de um fã de Symphonic Metal.

19 de ago de 2011

O Calor Russo

Anna Netrebko é uma das maiores soprano da atualidade, e talvez a mais famosa já vinda do seu país. Se destacou inicialmente em óperas russas, mas logo depois começou a fazer incursões na ópera italiana, conseguindo grande destaque no papel de Violetta Valery (La Traviata). Nesse disco ela volta as origens.

Anna Netrebko nesse disco nos apresenta um registro integral a Ópera Russa, destacando belas árias do seu país de origem.

A árias contidas nesse CD são bem melódicas e bonitas, sendo facilmente assimiladas por um ouvinte iniciante, isso sem falar na interprete.

Anna Netrebko tem um dos mais belos timbres da Ópera, sendo ele de um calor irresistível (típico de cantores russos) e sensualidade latente, como sua Violetta e Manon não me deixam mentir.

"O calor russo" na sua voz a diferencia das outras sopranos tradicionais, ainda mais em um CD em que ela se dedica em uma área onde ela obviamente se destaca.

Em matéria de alcance vocal me encontro totalmente satisfeito com esse CD, seu agudos são estratosféricos, não tanto quanto as cantoras Belcantistas, mas nesse registro em especial, isso não é necessário. Sua bela voz se encaixa muito bem seu alcance, proporcionando canções muito bem executadas.

A minha única ressalva a cerca desse registro, se encontra na interpretação vazia em alguma árias, mas nada que atrapalhe sua audição ou a torne menos prazerosa. Para aqueles que não gostam de ópera, esse disco pode ser uma boa porta de entrada.

Sobretudo indicado a aqueles que gostam de belas árias servidas por uma excelsa soprano de timbre que roça o sublime.

Nota: 9  *********

Bandas e Artistas recomendados

Against Tolerance é uma banda brazuca que faz o metal diferente da maioria, com uma pegada metalcore porém muito criativa se destacando das demais bandas, os pontos fortes da banda são as letras muito bem feitas, um baterista prodígio e 3 guitarras muito bem trabalhadas!

É isso mesmo! Esse é o Rafael Bitencourt, grande monstro da guitarra parceiro do Kiko Loureiro no Angra, nao é muito conhecido mas ele tem um projeto solo chamado Bittencourt Project com uma pegada beeeeem mais pesada e menos progressiva que o Angra.

Sinto que serei chamado de emo... FODA-SE The 69 Eyes é uma banda finlandesa de gothic/hard rock bem legalzinha pra relaxar, destaco o vocal que tem uma puta voz...

Deathklok é uma banda virtual que veio da aclamada série Metalocalypse  que fala sobre uma banda de death metal que atinge níveis astronômicos de sucesso! Os integrantes da banda no desenho foram inspirados em verdadeiras estrelas do metal, mas na verdade o cabeça da banda é o gênio Brendon Small

18 de ago de 2011

Meu 1º Discipulo

Todos conhecem a minha vocação para professor, que é uma profissão que só não exercerei, porque odeio alunos desinteressados. Quando a pessoa é interessada, eu faço de tudo para ajuda-la, e as vezes vejo pessoas que tem esperanças de começar a ouvir Metal, com essas tento investir discretamente.

Alias, quem é essa pessoa da qual o autor está falando? Vou contar. Eu no horário da saída conversava com algumas pessoas, mas como eu custo muito a ir embora, e fico no mínimo uns 2 dias por semana diretos nessa escola saindo apenas a noite, eu ficava um tempão sem fazer nada. Compartilhando essa "maravilhosa" situação, temos um garoto da 7ª serie, de nome Mateus (Quantas pessoas com esse nome eu conheço?), um garoto que a principio eu não conversava.

Ele ficava lá digitando mil e uma coisas no celular, a principio pensava que era um jogo, mas depois descobri que se tratava de mensagens (O garoto digita mais do que eu quando falo com alguém no computador), Só que eu vi nele uma boa opção para conversar, e matar uns minutinhos.

Quem diria! O garoto era bem bacana, passou um tempo e ir conversar com ele se tornou uma das minhas atividades preferidas em um dia escolar, e por vezes até melhor do que conversar com os meus colegas que me irritam com algumas declarações de pura ignorância, e também por não poder discutir com eles um dos meus assuntos preferidos: Música.

O meu colega não gosta de manipular os assuntos, o que me deixa meio em duvidas, já que para não enfada-lo, queria que ele falasse sobre algo que gostasse muito, se não soasse estranho, eu diria: "Escolhe ai o assunto de hoje". Enfim ele como ouvinte me agrada muito, pois ele demonstra interesse pelo que eu falo, e não fica viajando, e ele é uma daquelas pessoas que sabe de tudo um pouco, e quase não fala bobagem (bom, pelo menos não comigo).

Bom digamos que os gostos do Mateus não são bem interessantes, pois esse demonstra uma grande predileção pelo maldito Hip Hop Melódico, gênero pelo qual não demonstro nenhum pingo de afeição, apesar de nunca ofender os ídolos dele, até porque seria ridículo da minha parte. Ele também gosta daquelas cantoras Pop, ao passo que para converter ele, eu devia utilizar o Symphonic Metal, mas...

Na minha escola nos temos um evento chamado "Grammy", em que temos que fazer um blog falando sobre artistas que cantam em inglês e espanhol, Ou seja, eu não vou ter que fazer nada, alias já tenho um blog sobre isso. Entretanto a segunda fase é ter que fazer um vídeo ou se apresentar ao vivo para o publico, coisas que obviamente não farei.

Conversando sobre isso com mais um colega meu que ainda não tinha ido embora, comentei que a voz dele era de cantor de metal melódico (Esqueci de dizer no inicio do post, que a voz dele é aguda, e vocês sabem o que eu penso disso) e comecei a destacar sua voz em tons elogiosos, e também fazendo propaganda do Power Metal. Ele acabou ficando bem curioso, e eu prometi que no dia seguinte lhe mostraria bandas de Power Metal.

Agora ele está em posse de um dos meus CDs favoritos do Edguy, espero sobretudo que goste, e amanhã espero o veredicto, com ansiedade sobretudo.

Se ele não gostar, Within Temptation será o caminho certo.

Trivium - In Waves (2011)


Banda: Trivium
Album: In Waves
Lançamento: 2011

IIIIN WAAAAAVES!!! É com esse grito berro de guerra que começa a audição do album que pra mim é o melhor do ano até agora, Trivium volta depois de 3 anos com o sucessor do foderoso Shogun de 2008.   A energia da banda é diferente, mais madura e talvez experimental do que antes.

Realmente quando Matt disse que o novo batera salvou a banda ele estava certo, o cara é um monstro. Escute "Inception Of The End" e tente não ficar pasmo ao escutar suas incríveis Blast Beats em passagens melancólicas incríveis !!

"Dusk Dismantled", "Drowning In Slow Motion" e "Chaos Reigns" são as mais pesadas, com mais berros que todas as outras, até que são boas faixas, porém berros demais enjoam...

"Watch The World Burn""Black", e "Built To Fall" mostram a nova cara da banda, menos berros, refrões mais trabalhados e uma certa pegada heavy que fica bem clara nas duas últimas citadas.

A banda também mostra faixas mais complexas com mudanças no andamento como "A Skyline's Severance" e "Caustic Are The Ties That Bind", essa última com uma belíssima passagem melódica das guitarras e por falar em guitarras eu não vou nem comentar sobre os solos... Quem conhece Trivium sabe que a dupla Matt e Corey é insana quando se fala em solos, mais uma vez eles destroem tudo.

As faixas mais melódicas que seguem bem a linha do Melodic Metalcore são "Forsake Not The Dream" que conta com um belo refrão e um ótimo trabalho das guitarras tanto nos riffs quanto nos solos. "A Grey So Dark" é a mais melódica de todas, bate de frente com a clássica "Dying In Your Arms" do album Ascendancy de 2005, melódica ao extremo com um belo solo no meio.

Apesar de todas essas faixas matadoras a que mais me surpreendeu depois das Blast Beats de "Inception Of The End" foi "Of All These Yesterdays" que começa como uma balada que depois ganha peso sem quebrar o clima, ótima faixa.

Por mais que muitos odeiem adimitir Trivum é um dos novos gigantes do metal, só mesmo muito mente fechada pra não adimitir isso depois de uma discografia impecável como a deles. Por enquanto esse é o número um da minha lista de 2011.

Tracklist:
1."Capsizing the Sea" 1:30
2."In Waves" 5:02
3."Inception of the End" 3:48
4."Dusk Dismantled" 3:47
5."Watch the World Burn" 4:53
6."Black" 3:27
7."A Skyline's Severance" 4:52
8."Ensnare the Sun" 1:22
9."Built to Fall" 3:08
10."Caustic Are the Ties That Bind" 5:34
11."Forsake Not the Dream" 5:20
12."Drowning in Slow Motion" 4:29
13."A Grey So Dark" 2:41
14."Chaos Reigns" 4:07
15."Of All These Yesterdays" 4:21
16."Leaving This World Behind" 1:32
17."Shattering the Skies Above" 4:45
18."Slave New World" 2:58
NOTA: 9

16 de ago de 2011

Alvoroço por nada


Ao que parece Luca Turilli que é o guitarrista e membro fundadador da banda, decidiu se separar da banda. Uma atitude meio surpreendente, visto que a banda se saiu muito bem nos seus últimos discos, e pareciam que iam dar a volta por cima, depois de sua turnê que sucedeu no Wacken Open Air desse ano.

Enfim acontece e que agora o Rhapsody Of Fire será constituído agora por:

Fabio Lione - Vocal
Tom Hess - Guitarras
Alex Holzwarth - Bateria
Alex Staropoli - Teclados

E que Luca Turilli seguirá sozinho com sua nova banda, Rhapsody, que será constituída por:

Luca Turilli - Guitarra
Patrice Guers - Baixo
Dominique Leurquin - Guitarra
Alex Holzwarth - Bateria

Você viu grandes mudanças? Pois eu não. Para falar a verdade, isso pode até ser bom para a banda que agora terá mais liberdade, que antes ficava restrita aos dois compositores da banda.

De qualquer maneira o Rhapsody lançou esse ano, um disco maravilhoso, que provavelmente estará no topo da minha lista no fim do ano, e o que o Rhapsody fez de bom pode ser ouvido nos outros discos da banda. Como vocês sabem o Rhapsody é uma das minhas bandas preferidas, inclusive foi a que me mostrou o maravilhoso mundo do Heavy Metal, e lamento um pouco sua "separação", mas não vejo motivo para alarde.

Luca Turilli vai tocar com dois membros do Rhapsody e o já conhecidissimo Leurquin que era guitarrista convidado nas turnês da banda. E outra, os discos solos do Luca Turilli são excepcionais.

Alex Staropoli também não ficou mal, dispondo de um excelente vocalista como o Lione e o guitarrista revelação "Tom Hess", também não ficaram atrás na hora da comparação das duas bandas.

Encaro essa noticia com muito otimismo.

13 de ago de 2011

Sharon Den Adel - Analise

A partir de hoje vou fazer uma seção onde falarei sobre alguns vocalistas do Heavy Metal, se vocês quiserem podem pedir analises de outros vocalistas.

Hoje analisaremos a belíssima Sharon Den Adel, vocalista do Within Temptation e que tem participações especiais em bandas irmãs como Delain e After Forever.

Já ouvi várias críticas ao Within Temptation, mas claro que todas elas eram uma porcaria, com argumentos sofríveis, isso é quando eles existiam.

Alguns dizem que a banda é pop demais, o que é uma insanidade, pois desde quando ser mais comercial significa ser ruim? O engraçado é que eu nunca ouvi eles criticarem a Sharon, ou seja até eles já se renderam a Holandesa.


Timbre

O timbre da Sharon foi cravejado com ouro e diamantes, sendo de uma beleza mítica não ladeada por nenhuma outra cantora. Nos primeiros discos ele era muito magro e meio estridente (As vezes, pois na maioria das vezes sua voz não soava estridente).

No The Silente Force, seu timbre estava bem mais encorpado e aveludado, lhe dando mais opções na hora de cantar e resolvendo todos os problemas citados antes.

Interpretação

Excepcional no território lírico (Ice Queen, Our Farewell, Jilian) e no repertório mais drámatico (Frozen, What Have You Done, Memories). A interpretação da Sharon aliada ao seu timbre propõe momentos de pura beleza e magia, e a cada disco que passa, está melhor.

No Inicio ela exagerava em alguma interpretações como por exemplo "Dark Wings", e apesar de adorar essas músicas em que ela exagera, devo admitir isso como falha. Mas com o passar do tempo ela adquiriu uma interpretação deveras convincente, e como se em cada música ela fosse uma pessoa diferente, Por exemplo:

Memories: Uma mulher triste que está se lembrando de seu belo passado, e tentando seguir em frente.
Our Farewell: A despedida de um anjo

A questão e que ela encarna com perfeição cada personagem que ela interpreta conferindo a dramaticidade necessária a cada uma, e ao mesmo tempo as banhando em um oceano angelical.

No disco The Unforgiven me surpreendeu com uma interpretação acima do normal, sua protagonista é uma mulher que não se curva a ninguém e muito intensa e ao mesmo tempo ela consegue encaixar seu belíssimo timbre na personagem. Pronto me estendi demais.

Alcance (Técnica)

Sharon é uma cantora que não tem dificuldade alguma em alcançar notas mais altas, e ainda por cima pode mante-las por muito tempo sem fazer esforço ou se desgastar. Seus agudos são estratosféricos e normalmente são lapidados belo seu timbre e interpretação, e não há nenhuma estridência em seus agudos.

O registro central é muito seguro e bem aveludado, e os seus graves são quase inexistentes.



Resumo: Sharon Den Adel tem um timbre belíssimo, uma interpretação que melhorou muito chegando a um nível espetacular no último disco. E uma tecnica muito segura, principalmente nos agudos que são lançados sem que a cantora se desgaste.

Sua timbre complementa sua interpretação e ajuda muito para que os agudos da cantora sejam mais credíveis. Não é uma cantora virtuosa (o que também não é necessário), mas tem uma alcance agudo excepcional.

E para esclarecer o repertório lírico, e aquele mais alegre em que a cantora não interpreta uma sofredora.

10 de ago de 2011

Vader - Welcome To the Morbid Reich (2011)


Banda: Vader
Album: Welcome To the Morbid Reich
Lançamento: 2011

Vader!!! Um dos maiores nomes do Death Metal, vindos da Polônia eles fazem um som clássico sem inovar tanto mas compensando com técnica, peso, velocidade e MUITA força!!!

Depois de uma grande reformulação no line-up nasce mais uma besta para a longa discografia da banda: 
"Welcome To the Morbid Reich" é um albúm extremamente energético, porrada do começo ao fim. 

Os novos integrantes são monstruosos! A bateria do cd é insana com Blast Beats ultra rápidas muito bem localizadas que não torna o som embolado ou enjoativo e o novo guitarrista nem se fala... escute "The Black Eye" e veja por si mesmo, a música deve ter uns 6 solos!

"Come And See My Sacrifice""Only Hell Knows""Lord Of Thorns" e "Decapitated Saints" são as mais rápidas, destaco "Come And See My Sacrifice" pelos solos menos exagerados e a bateria feroz nos refrões, essa faixa também foi a primeira a ser divulgada pela banda. Destaco também "Decapitated Saints" que possui os riffs mais pesados, e também é uma das músicas mais rápidas e ferozes de todo o cd!

"I Am Who Feasts Upon Your Soul" e "Dont' Rip The Beast's Heart Out" formam uma bela sequência, a primeira é mais cadenciada ou menos rápida já que esses cara não desaceleram nunca né! Tem um dos solos mais bonitos e tem até introdução, mas todo esse clima é massacrado pela faixa seguinte que já começa com um puta solo, riffs bem Death e bateria destruidora!

Depois dessa audição a lição que tiramos disso é que: Mesmo com apenas um único membro da formação original o Vader sempre vai soar como o Vader! E que solos de Death Metal são insanamente insanos!!!

Tracklist:
01. Ultima Thule
02. Return To The Morbid Reich
03. The Black Eye
04. Come And See My Sacrifice
05. Only Hell Knows
06. I Am Who Feasts Upon Your Soul
07. Don't Rip The Beast's Heart Out
08. I Had A Dream...
09. Lord Of Thorns
10. Decapitated Saints
11. They Are Coming...
12. Black Velvet And Skulls Of Steel
NOTA: 9

8 de ago de 2011

Algumas perguntas

1- Meu amigo acha que gosta de Funk, mas na verdade ele gosta daquele lixo conhecido como Funk Carioca, como mostrar a ele o verdadeiro Funk?

R: Você não deve dizer que aquilo que é Funk de verdade, e o que ele escuta é falso, pois se você fizer isso ele vai repudiar o Funk verdadeiro.

2- Eu tenho um amigo que não se importa com música, como introduzi-lo em um determinado gênero?

R: Siga as regras básicas de introdução aos gêneros, mostrando o que é de maior assimilação, e evitando o que é mais complicado.

3- Meu colega odeia Ópera, como mudar a opinião dele?

R: Desista. Ópera é um gênero que precisa de ouvintes com mente aberta, e seu colega já a odeia, vai escuta-la com preconceito, e vai odia-la ainda mais.

4- Como mostrar Ópera para um amigo?

R: Encare que as chances de que seu amigo acabe gostando de Ópera são bem pequenas, mas se você quer tentar... Inicie seu amigo com Óperas do gênero verista como: "La Bohéme", Madama Butterfly, Carmen, La Traviata, Aida...

Ópera deve ser assistida em vídeo, portanto busque para ele óperas inteiras em vídeo e sobretudo legendadas. Mostre para o seu amigo Sopranos mais acessíveis como a Anna Netrebko, Elina Garanca e a Angela Gheorghiu.

Torça ajoelhado para que isso dê certo, pois a maioria das pessoas ODEIA música.

5- Devo mostrar música orquestrada para o iniciante no mundo da Ópera?

R: Sim e Não. Sim porque seu pupilo pode acabar gostando das músicas orquestradas, se adaptando mais facilmente a ópera. Mas o inverso pode acontecer, ele pode gostar das orquestradas e odiar a Ópera.

6- Meu amigo odeia vocais agudos, como procedo?

R: Mostre a ele Óperas em que o personagem principal é barítono, como Rigolleto e Don Giovanni, mas até nessas óperas o vocal agudo é presente. Na verdade seu colega vai ter que compreender que os agudos são a magia da ópera, então se ele odeia agudos e se manter convicto nisso, DESISTA.

7- Meu amigo tem agonia quando ouve canto lírico.

R: Isso acontece porque nós fomos educados com canto popular, e se você perceber o certo e se acostumar com o canto lírico inicialmente.

Vamos fazer um parêntese e comparar isso com um jogo. No inicio você sofre muito para aprender a jogar, mas você persiste e fica feliz com suas pequenas conquistas, até que depois de um tempo você acaba ficando muito bom no jogo, e passa a adora-lo.

No fim é tudo persistencia, mas não é qualquer um que persiste no jogo.

8- Meu colega acha que Heavy Metal é do demônio, como reagir?

R: O certo é ignorar, pois o seu colega alienado nem sabe o que fala. Mas se você tiver paciência para explicar que as letras do Iron Maiden falam sobre história, e que as bandas escreviam letras satânicas só para Merchandising e para implicar a igreja, Fique a vontade.

9- Quero mostrar Black Metal para o meu amigo que é já é fã de Heavy Metal, como procedo?

R: mostre o que há de mais melódico no gênero para depois partir para o estilo mais pesado.

10- Meu amigo tem medo do Heavy Metal, como proceder.

R: Se o seu amigo for mente aberta, mostre para ele o Power Metal, Symphonic Metal (principalmente se for Mulher), o Hard Rock e o Heavy Metal clássico, pois desde quando Iron Maiden e Black Sabbath são bandas pesadissimas?

Normalmente seu amigo/a acredita em tudo que escuta na Tv, e existem diversas maneiras de mostrar para ele que a Tv mente quando fala do Heavy Metal, agora só lhe falta a paciência para tal.

11- Cite as ignorâncias cometidas pelas pessoas a respeito da música.

1- Acharem que o Heavy Metal é Satânico e muito pesado, sendo essas apenas caracteristicas do Death e do Black Metal e as vezes do Thrash.

2- Acharem que Creu, Você Quer... e outras pataquadas, são Funk

3- Achar que o único tipo de música boa, é a agitada.

4- Gostarem da música de um determinado grupo devido a beleza de seus integrantes.

5- Acharem que Ópera é para ricos.

6- Dizer que tal tipo de música é gay, para velhos, retardados e outras ignorâncias.

12- Em que casos você aconselha mostrar Ópera para um amigo?

R: Se ele for mente aberta ou se ele for um amigo de que tenho muito apreço, tirando isso nem ligo.

13- Como você reage quando uma pessoa fala que gosta de uma coisa que você odeia?

R: Eu normalmente pergunto o porque dela gostar, e quais seus discos preferidos. Nunca direi que a banda que ele escuta é uma porcaria a não ser, que eu seja questionado.

14- Porque você escuta Ópera e Metal.

R: Simples. Nos dois gêneros se concentram os cantores mais virtuosos e as composições instrumentais mais ricas, sem falar que é muito legal pesquisar esses gêneros e aprender coisas que a maioria não sabe.

Por hora me atenho a estas respostas, na verdade esse post foi criado apenas com o intuito de me divertir, e apresentar algumas opiniões minhas. Até a próxima.

4 de ago de 2011

Samson - Head On (1980)

O álbum Head On, lançado em 1980, é o segundo álbum da banda Samson (criada em 1977) conta com boas musicas, com ótimos solos, um trabalho muito bom na bateria(em todas as musicas) e algumas surpresas! Então você pergunta ''surpresas? Como assim?!'' E eu respondo, o vocalista dessa banda era nada mais nada menos que o Senhor Bruce Dickinson! Isso mesmo, Bruce Dickinson,nosso querido vocalista da ''Donzela'', bom vamos logo a resenha.
Escrito por Matheus VCZ

O disco começa com a faixa intitulada de ''Hard Times'', sinceramente essa é a faixa mais fraca do disco, pouco empolgante, com um jeito ''animadinho'', riffs comuns, enfim, acho que foi uma má opção para abrir o disco, mas tenha calma jovem, o que vem por aí vai ficar melhor, e até contem mais algumas ''surpresinhas''

A segunda faixa do disco é a ''Take It Like A Man'' essa faixa apresenta riffs legais de se ouvir, ela também possui um dos melhores refrões de todo o disco(e olha que é uma competição forte),e o trabalho do baterista Thunderstick (que também é o homem mascarado na capa do álbum) é ótimo nessa musica, e aproveitando o fato de que estamos falando de bateristas,quero falar outra das ''surpresinhas'', Clive Burr(que futuramente seria baterista do Iron Maiden)já fez parte do Samson também
''Vice Versa'' É particularmente a minha favorita do disco, ela é mais calminha do que as outras, ela tem um refrão muito bom e também contem uma das melhores atuações do Dickinson no álbum (sendo que ele já é bom nas outras) tudo isso fizeram dessa faixa uma verdadeira obra de arte.
''Manwatcher'' É a musica seguinte, e bom o que posso dizer sobre ela? Ela é simplesmente uma faixa boa, não tem nada de espetacular, mas ainda assim é boa, mas o que mais se destaca nela é o ótimo riff, não tenho mais o que falar sobre ela.
''To Close To Rock'' É a que se segue, eu posso dizer que é uma musica muito boa, e tem um dos melhores riffs do disco,e o que Dickinson apresenta aqui (não só aqui mas no álbum todo), é um bom exemplo pra se perceber que Dickinson canta mais , bom vamos dizer ''selvagem'' aqui nesse disco do que comparado com o Iron Maiden, é um Bruce mais enérgico mais ''selvagem''(repetindo a palavra).
''Thunderburst'' É a primeira e única instrumental do álbum, ela é incrível, com bons solos a bateria faz um bom trabalho, infelizmente ela é bem curtinha, mas não deixa de ser muito boa, e ela contém mais uma surpresinha!O QUE?! MAIS UMA? Sim, ela tem a participação de nada mais nada menos do que o consagradissimo Steve Harris!!Sim!Steve Harris,e é nessa hora que você pensa ''Caralho quantos integrantes do Iron!''

''Manwatcher'' É a musica seguinte, e bom o que posso dizer sobre ela? Ela é simplesmente uma faixa boa, não tem nada de espetacular, mas ainda assim é boa, mas o que mais se destaca nela é o ótimo riff, não tenho mais o que falar sobre ela.
Agora vem a musica ''Hunted'' bom o que falar sobre ela?Bom, ela é uma musica num estilo mais calmo, é uma ótima musica, com bom refrão, com a voz mais calma de Dickinson (com exceção de quando ele canta o refrão),ela tem uma introdução legalzinha, enfim uma ótima musica.
Agora temos ''Take Me To Your Leader'' ela tem um bom riff,bom trabalho de bateria e baixo, Dickinson fazendo um trabalho muito bom,mostrando ótimos agudos em algumas partes,mas será que tudo é bom nessa musica?A resposta é Não! Infelizmente ela fica muito quebradona no refrão, coisa que não me agradou em nada, se não fosse por esse refrão que se repete algumas vezes (porque é o refrão neh) a musica seria bem melhor.
''Walking Out Your Eyes'' Vem para fechar o álbum, ela tem uma introdução meio estranha, ela é mais quebradona, tem riffs agradáveis, mostra o bom vocal de Dickinson, ela também é mais calma, ela é uma boa balada, não chega a ser lá aquelas coisas, mas ainda assim é boa.

O disco me surpreendeu, já que eu não conhecia muito bem o Samsom, e não estava esperando muitas coisas, mas o disco me agradou, e ainda teve umas surpresas ai no meio. No geral um disco muito bom. Eu gostei.
Nota: 9 *********

3º Teste

Vocês já fizeram resenhas demais, e por isso esse teste não envolverá resenha, e sim uma matéria que há muito tempo eu desejo que o Filipe e o Arthur façam. Vocês se lembram dos primeiros posts do Metal Guide? senão leia o post do Nightwish, Epica, After Forever, Within Temptation, Tarja Turunen e Floor Jansen.

O teste é simples, eu quero um post naqueles moldes, só que eu queria que vocês colocassem um introdução antes de vocês falarem dos membros da banda. Ou seja é só você reservar a banda que você quer fazer nos comentários (para que não haja repetição) e fazer o artigo.

Quanto a indicação de discos obedeça ao seguinte critério

3 discos lançados ou menos: Indique apenas um
4 a 5 discos: Indique 2
6  até 10: Indique 3
Mais que isso: indique 4 ou 5

Classificação

1º Matheus Tavares: 31,5 pontos
2º Matheus VCZ: 23,5 pontos
3º Fernando: 21,5 pontos
4º Claudio: 14,5 pontos

Obs:  Todos os pontos disputados foram incluídos no somatório   

3 de ago de 2011

Resultado do Teste 2

Depois do meu trauma pessoal retratado no meu post anterior, que eu não vou "linkar", venho aqui apresentar o vencedor do 2º teste que é a metade do caminho.
Antes disso vou passar o gabarito do Quiz

1- Within Temptation
2- Judas Priest
3- Destruction, Kreator, Tankard, Sodom
4- Possessed
5- Celtic Frost
6- The Conjuring ou Anarchy In The UK
7- Theatre Of Tragedy
8- Diamond Head ou Motorhead
9- Slave To The Grind, mas considerei uns do Guns
10- Led Zeppelin III

Resultado

Fernando e Matheus Tavares são os grandes nomes na área das resenhas, tendo se destacado nas duas resenhas que eu pedi, entretanto dessa vez o Matheus VCZ se destacou também. Sua última resenha foi interessante, mas pecava por erros bobos, que nessa última resenha foram corrigidos e o melhor foi que ele pegou uma das principais falhas do texto dele, e transformou em qualidade.

Claudio quase venceu a última, mas nessa não se destacou nessa a ponto de fazer frente aos rivais. Não que a sua resenha estivesse ruim, mas é que os outros concorrentes se destacaram mais ao meu ver. Uma outra observação que eu posso fazer, é que o Matheus VCZ e o Claúdio não tem a área da resenha como suas preferidas, sendo melhores escritores de artigos, mas não se saem mal na hora das resenhas.

Fernando e Tavar são muito bons nas resenhas sendo quase imbatíveis nessa área, Fernando perdeu a outra por pouco, e dessa vez, fez mais uma resenha irrepreensível apontando as caracteristicas que eu queria que a pessoa que escolhesse o disco do Witchfinder General notasse.

Tavares mais uma vez se destacou na resenha, mas dessa vez acho que a nota da resenha tenha ficado meio aquém da qualidade natural do disco, pois mesmo que ele se apresente repetitivo para o Tavares não acho que esse argumento seja suficiente para tal nota. Talvez essa tenha sido a única falha do Matheus, pois foi muito feliz nessa resenha.

Matheus VCZ pode não ser o melhor para falar tecnicamente de um disco, mas nessa resenha ele fez de tudo para se sair bem e conseguiu. Ao começar a ler a resenha dele tive medo de que ele mantivesse os erros que o fizeram perder, alias para falar a verdade a primeira resenha era quase invisível porque estava escrita em cinza, entretanto ele me explicou o porque disso, e eu relevei.

Ele teve toda a preocupação de me mandar outra sem eu ter pedido, e foi essa que eu mandei para o Office e negritei, para que eu pudesse ler, pois eu sou quase cego e não conseguiria ler com essa cor horrível (para leitura).

A resenha do Matheus ficou bem legal, pois ele suprimiu as deficiências técnicas de sua analise, que acontecem devido a pouca experiência nessa área, algo que será corrigido com o tempo, e por causa disso devo até elogia-lo por ter se saído tão bem mesmo sendo novato na área. Suas analises ficaram interessantes e de primeira o texto me conquistou e sua conclusão mostrou que mesmo que ele não tenha percebido, ele entendeu o sentido do teste.

O teste tinha o objetivo de fazer vocês conhecerem bandas novas, que a maioria desconhece, sem mostra mudanças drásticas visto que a maioria e Hard/Heavy.

Fernando que me desculpe, pois apesar de sua excelente analise, Matheus VCZ se destacou muito, mas acredito que o Fernando mereça ao mínimo 5 pontos, pois ele nesses dois testes se destacou muito.
Parabéns VCZ.

2 de ago de 2011

Two Tragedy Poets (2008)



Banda: Elvenking
Album: Two Tragedy Poets
Lançamento:2008

O Elvenking é um dos grandes nomes do Folk/Power/Melodic Metal italiano, foi formado em 1997 pelos guitarristas Aydan e Jarpen.

Two Tragedy Poets é diferente do que a banda costuma apresentar, dessa vez o albúm é quase todo acústico, o que da um ótimo diferencial a banda! Belíssimos violões e violinos em harmonia com uma cozinha bem feita por uma bateria e um baixo que não agridem o ouvido nem mesmo abafam os violões, e a performance vocal de Damnagoras é insana, o cara canta muito!

O albúm conta com muitas baladas devido a roupagem acústica das músicas, mas não são baladinhas meia-boca não! "From Blood To Stone", "Miss Conception" "My Own Spider's Web" estão aí pra provar isso. O instrumental é muito bem feito mesmo! E as músicas mais agitadas também são muito boas, "Another Awlful Hobs Tale", "Ask A Silly Question" e "This Is Not My Final Song" são incríveis, dou destaque para todas. 

"The Winter Wake" e "The Wanderer" que já são clássicos da banda também ficaram muito boas com a nova roupagem. Aaaaaaaa antes que eu me esqueça! As letras também são incríveis, muito bem feitas e profundas.

O albúm também conta com um belo cover da música "Heaven Is A Place On Earth" de Belinda Carlisle, essa música já foi coverizada várias e várias vezes, porém essa é uma das melhores versões que eu já escutei.

Tracklist:
01 - "The Caravan of Weird Figures"
02 - "Another Awful Hobs Tale"
03 - "From Blood to Stone"
04 - "Ask a Silly Question"
05 - "She Lives at Dawn"
06 - "The Winter Wake (acoustic version)"
07 - "Heaven is a Place on Earth" (Belinda Carlisle cover)
08 - "My Own Spider's Web"
09 - "Not My Final Song"
10 - "The Blackest of My Hearts"
11 - "The Wanderer" (acoustic version)
12 - "Miss Conception"
NOTA: 9,5

1 de ago de 2011

Desânimo

Venho lhes apresentar uma má noticia, hoje eu fiquei sabendo de uma coisa, ou melhor, me falaram uma coisa que me  tirou todo o ânimo para escrever. Eu obviamente fiquei muito triste com o ocorrido, pois era algo que não esperava.

Não falarei para vocês o que ocorreu (apesar de não achar difícil, que vocês descubram), mas depois disso estou sem graça nenhuma para escrever. O blog continuará sendo atualizado pelo Filipe e o Arthur que juntos devem 4 posts, mas por um tempo não postarei.

Só voltarei amanhã para finalizar esse 2º teste, e passar o 3º, que não envolvera resenha.